Google+ Followers

domingo, 4 de março de 2012

SEGUIR ADIANTE

Não irei varar noites insones murmurando o teu nome.
Não encherei a memória da tua imagem e nossos momentos.
Não morrerei em vida como já tantas vezes morri.
Apenas porei o pé na vida e daí caminharei,
Sem me importar com os sentimentos que me venham porventura,
Sem querer nomear ou definir o que eu sinta,
Apenas vivendo, única e tão somente vivendo,
Ao sabor de alguma surpresa que surja eventualmente
No caminho que eu siga, alguns passos adiante.

2012

CLAUSURA

Hoje vou-me dar à mudez da noite mais quieta,
À solidão dos recantos mais desertos, distantes,
À melancolia das mais frias madrugadas.
Hoje me esconderei profundamente em meu umbigo,
Me alhearei completamente ao mundo à volta,
Como se nada jamais houvera além de mim  e do desejo
De estar quieto, ouvindo as notas inauditas
Da inexistente canção trazida
Do fundo da noite tão calada.

2012