Google+ Followers

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ALGOZES DA VIDA DO MUNDO


Quando o sol veio como fogueira
e secou plantações e florestas,
trazendo a morte e a fome,
não era a fúria de Deus, 
era o dedo sujo dos homens,
que não sabem senão destruir.

Quando agrestes e matas arderam
em labaredas tão giganterscas,
não era a maldade do Demo,
mas de homens piores que ele,
que adoram queimadas e mortes,
cultuam somente o lucro,
num deleite tão bestial.

Quando vendavais imensos zumbiram,
tombaram o que havia em seu curso,
trouxeram tempestades dantescas,
imergindo, soterrando  e matando 
crianças, idosos e bichos,
foi tudo fruto do estupro
de humanos à natureza.

Dizei-me, Deus, respondei
que inferno puniria a contento 
pecadores tão sujos e infames,
pessoas tão más e tão sórdidas?
Se, Deus, sois justo, falai
por que os deixastes nascer
pra desgraça tão grande do mundo?  









segunda-feira, 14 de setembro de 2015

O ANTI-HERÓI III

Não sou bom-moço nem sou parnasiano,
Não sou de rezas, rituais e cerimônias,
Não  canto hinos nem exalto flâmulas, bandeiras.
Fico distante de senhores, poderosos e Excelências,
Mais longe ainda de homenagens, rapapés e de discursos.
Digo palavras de corar os puritanos, 
Louvo o pecado como os monges louvam os anjos.
Não danço a música dos modos comportados.
Recito uns versos embebidos na luxúria,
Digo meu não quando todos dizem sim,
Solto impropérios quando querem louvações.
Em nada creio onde impera uma fé cega,
Jogo ironias onde querem comoção.
Minha'alma é livre, planando em minhas asas,
Nada me prende senão a moça que me encanta,
Senão os desejos e emoções que me arrebatam,
Senão os amores que me fazem doce plenamente 
E que me elevam em tão imensurável bem-querer.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

sábado, 7 de fevereiro de 2015

LAMENTO DA NOITE

Lamenta, noite, vai, lamenta
Nos acordes de viola que pranteiam,
No voz triste da cantora emocionada
E no pio plangente da ave errante
E noturna.

Lamenta, noite, vai, lamenta intensamente
Como o meu coração, que mais parece
Violino chorando em noite de garoa,
Que dói, quieto, opresso, imóvel, indefeso,
No silêncio, noite, no silêncio mortal das solidões.

domingo, 4 de janeiro de 2015

POEMA BANDIDO III

É o momento de louvar os festejos dissolutos,
os malandros com seus dados viciados,
as mulheres seminuas dos bordéis.

Fazer verso aos bebuns que não têm rumo,
às lascivas dos duzentos namorados
se exibindo e se ofretando nas esquinas.

Fazer canto ao Carnaval e  excessos da folia
com as bundas mais diversas e suadas
rebolando, reluzentes, nos salões.

Ode aos peitos, vulvas, coxas, ancas que se mostram, 
Num sentir arrebatado, fascinado, enlouquecido,
Entre gestos obscenos, rebolados imorais.

Ah, falar pornografias e mandar o mundo às favas!
Adentrar as cerimônias desvestido de camisa
E cantar bonitos sambas, abafando os oradores.

Mas jamais trajar um terno e se vestir de hipocrisia,
Nunca, Deus(!), deixar valer a hipocria!