Google+ Followers

sábado, 11 de fevereiro de 2012

A MORTE DA POESIA

Quero os jardins.  Onde os jardins?
Quero as varandas e as casas desbotadas,
Os quintais de terra, o orvalho, os pés de futas,
As pracinhas e os casais enamorados.

O que foi feito da poesia?
Ficou senil, caduca, ultrapassada,
ficou morta no passado a poesia.
Agora só resta esse cenário tedioso
E essa gente tediosa pelas ruas.

2012

Nenhum comentário: