Google+ Followers

sábado, 11 de fevereiro de 2012

CASAMENTO CO'A SOLIDÃO

Ah, solidão, tive amores tantas vezes!
Mas não sei dizer se percebeste
Que nunca de ti me descasei.
Sei hoje que sempre foste e que serás
A minha eterna e infalível companheira.

Levei a vida enleado nos teus braços,
A pensar que estavas muito, muito longe.
Que fazer agora? - te pergunto e me pergunto:
Desejar a morte como à mulher mais sedutora?

Não quero dar fim à própria vida,
Com cena de sangue e gente histérica  a correr e gritar pelas ruas,
                                                              [ corredores.
Quero a morte talvez no seu devido tempo
E não ficar no aguardo da agonia lancinante.

Quero, sim, ser cônscio de tua presença eternizada
E aprender a te aceitar e amar como alma gêmea,
Como foras una comigo qual meu corpo.
Não deixarei que a tristeza me aniquile
Nem tampouco me incline a desejar uma ilusão.
Não, solidão, quero apenas viver num realismo
Que suporte a crueza que tu encerras
E seguir a vida, sem enganos, leve, em paz.

2012

Nenhum comentário: