Google+ Followers

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

CANÇÃO TRISTE

Como eu poderia, menina, escrever-te poesias,
Se eu não sei falar dessa alegria
Solta, alegre, esvoaçante, tão menina,
Reluzente no teu ser?

Como, se eu só sei cantar tristeza
Com tristeza, por tristeza,
Nada mais?

Menina, a minha canção é qual silêncio,
É gemido, pranto, noite funda,
Fronte baixa, olhos mortos, pura dor.

Minha canção é qual crepúsculo de inverno,
Negro céu, bairro sem gente, mar sem vida,
Casa abandonada de desolado quintal.

Minha canção é um queixume tão desnudo de esperança,
Lágrima incessante deslizando pelo rosto,
Barco ancorado no deserto cais.

Minha canção é folhas secas arrastadas pelo vento,
Tarde sombria, olhar cansado, solidão.

Minha canção é escuridão, é desalento,
É fadiga, desencanto, lassidão, abatimento,
Melancolia, desconsolo, é vontade de morrer.

2003

Um comentário:

Stella Vives disse...

Barão, adorei a poesia , mas parece-me um pouco depressiva demais diante de um amor mais jovem? Li todas. Parabéns!
Vou voltar sempre, Demóstenes.
Bjs. poéticos.