Google+ Followers

quarta-feira, 21 de abril de 2010

NOITE SEM FIM

Não quero cultivar esperanças:
Só quero as ruas desertas e me sentar nas calçadas,
E chorar incessantemente durante a noite infinita.

Não choro tua ausência, tua partida:
Foi até tardia a tua ida.
Choro, sim, a ausência de alguém
Exatamente como a mim pareceste.

Segue, não olhes pra trás, não voltes:
Não te choro, mas a mim,
Que sinto a solidão me apertar nos braços gélidos
E no além-horizonte nada diverso vislumbro.

Só vejo a noite e a solidão, insensível, perversa,
Insolente, sem vida, senhora de mim.
Não, não quero novamente a esperança:
Só quero prantear nas calçadas, sozinho,
Nas ruas desertas, no fundo da noite sem fim.

2010

Nenhum comentário: