Google+ Followers

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

MARCO E JÚLIA (OU O VENTO DO TEMPO)

Marco Léo era paixão repleta de alegria:
Vivia uma euforia tão prenhe de luxúria,
Como se a razão da vida fosse Márcia Júlia
E suas ousadas transparências.

Vivia uma avidez tão tórrida e vibrante,
Como se sob a saia daquela deusa erótica
Fosse o próprio paraíso,
Os sublimes jardins do Éden.

Era um louco afã, entrega, só delírio,
Como se entre as pernas de sua Márcia Júlia
Fosse tudo simplesmente.

Quando os olhos dele pousavam nos da moça,
Se sentia assim como um filhote sem defesa,
Incapaz de sobrevida sem o peito, o colo
E aconchego maternal.

Mas um dia a moça viu que o mundo
Era imenso, era tão vário e cheio de surpresas,
Que ela precisava no mundo se atirar.
Ficou Marco sozinho, sem saber-lhe o paradeiro,
E, enlouquecido, murumurou por longos meses
O seu nome em noites brancas, tão insones...

Desolado, chorou como quem perde os braços,
Bebeu como o mais desgraçados dentre os homens,
Como se  tudo para ele houvera se acabado.

Mas veio o tempo trazendo então consigo
O seu vento veloz e de tudo tão pejado
E o poder de enterrar e mudar tida paisage.
E aí Marco Léo foi pouco a pouco levantando
Do caos e dos cascalhos da apatia e tanta dor.
De repente viu-se alvorecendo novamente,
E o dia que nele raiou era de samba tão repleto,
Era cheio de brilho e de cores tão aceso,
Graças ao tempo, que tudo cura, tudo apaga, tudo muda,
Pode tanto com seu vento milagroso, sua força sem igual

2010
Revisto e modificado em 2017







Nenhum comentário: