Google+ Followers

domingo, 30 de setembro de 2007

ANSEIO DE PARTIDA

Ah, quem dera fosse a vida
um eterno partir sem despedida,
um constante renascer num amanhã
tão diverso, que a alma se espantasse encantada.


Quem me dera partir sempre, sempre partir,
para Minas, Holanda, para Vênus,
a cada tempo viver nova vida.


Ah, quem me dera o eterno partir,
o eterno chegar,
eternos novos ares respirar,


liberto da mesmice que faz tediosos os dias
e sitia a alma no deserto estéril de anseios,
árido de paixão, de emoções, de desejo de viver.


II


Partir sempre, e sempre partir para todo o sempre,
mas não partir para a morte:
a morte é, no mínimo, tediosa
E, partida medonha e poucas vezes voluntária,
rouba da gente o poder e o direito de partida.

1995