Google+ Followers

domingo, 30 de setembro de 2007

O ANTI-HERÓI II

Não, não há dúvida, não há sombra de dúvida:
Não sou em definitivo o audaz mocinho,
Que é belo, intrépido, que é pura
bravura:
Sou mal-encarado, temo até meu ronco,
Minha própria sombra.


O revólver do mocinho nunca erra o alvo
E o que só tenho é um estilingue e a mira risível.
O mocinho é austero, é seguro, tem mãos firmes,
E eu sou fraco, debochado, um bandido acovardado.


O mocinho arrisca a pele, eu me escondo até de chuva.
O mocinho é elegante, alto, forte, genial,
E eu me visto de farrapos,
Sou nanico, manco, tolo, a burrice ambulante.


O mocinho salva todos dos perigos deste mundo,
Eu empurro criancinhas de penhascos gigantescos,
Eu espanco as mulheres e os velhinhos indefesos.


Não, definitivamente, não sou um herói:
Feito um cão sem dono, deito pelas ruas;
Coço as partes íntimas ante o rubor das senhoras,
Preguiçosamente, vou-me deleitando
Em ser o bandido, mero vagabundo,
Um sujeito à toa, este anti-herói.

1993