Google+ Followers

domingo, 30 de setembro de 2007

ROSANA

Vem, Rosana, pros meus braços:
Tua presença enche meus dias
De sol, música, alegria,
É a canção da alvorada
No peito do teu cantador.


Vem, Rosana, que em teu riso
Vi meus dias de menino.
Vem, Rosana, o céu dos místicos
Vi na paz desses teus olhos,
Na meigura do teu rosto,
No teu cândido falar.


Vem, Rosana, que meu corpo
É luxúria enlouquecida,
É um braseiro, uma fogueira
A querer te consumir.


Vem, Rosana, de mãos dadas
Passear por estas ruas,
Caminhando sob a lua,
Como dois adolescentes.


Vem, Rosana, que teu beijo
É um passeio entre os astros,
Navegar entre as estrelas,
Voar pela imensidão.


1992