Google+ Followers

domingo, 9 de setembro de 2007

O CANTO POSSÍVEL

Eu quero cantar a vida em sua intrínseca dança.
Quero cantar as pessoas que passam em rumo ao trabalho ou que tão-somente andam
           [ à toa, descompromissadamente por aí.
Eu quero cantar a viveza saltitante e solta dos sábados cariocas de verão.


Eu quero cantar por cantar os bares do Rio com sua animação colorida,
A atmosfera pagodeira do centro da cidade nas noites de sexta,
A descontração das crianças que correm nos parques,
A exultação dos cães na chegada dos donos...


Eu queria cantar a faceta alegre da realidade dos dias...


Mas o meu canto é cheio de mágoa, é pejado de ódio,
É triste como um silente crepúsculo de inverno...
O meu canto, furibundo, melancólico, ferido,
É só o que sai de minh’alma amarga, sombria, envelhecida.

1997